Misericórdia de Penafiel

Portuguese English French German Greek Italian Polish Spanish

Edição n.º 37 Outubro 2017

Agenda

Qua. Nov. 22
Magusto no Lar de S. Martinho

Lar S. Martinho

Qua. Dez. 20
Festa de Natal da Instituição

Salão Polivalente

Dom. Dez. 24
Ceia de Natal

Lares da Instituição

Dom. Dez. 31
Ceia de Fim de Ano

Lares de Terceira Idade

Valências

Igreja de Santo António dos Capuchos

A igreja de Santo António dos Capuchos era parte integrante do convento que os Franciscanos capuchos da província da Soledade ergueram em Penafiel.
A crise em que a Ordem dos Frades Menores (vulgarmente chamados franciscanos, do seu fundador S. Francisco de Assis) vivia no final da Idade Média, inspirou uma corrente reformista, nascida em 1525 e aprovada pelo Papa Clemente VII Médicis. Estes frades, de “estreita observância”, foram denominados entre nós de Capuchos, surgindo em Portugal pelo convento de Vila Viçosa, graças à protecção do Duque de Bragança D. Jaime. Ao longo do século XVI e dos seguintes, a observância capucha vai crescer até chegar a ser dividida num total de cinco províncias.
Pelos anos em que nasceria a província capucha da Soledade (que reunia conventos no norte do país) os capuchos chegam a Arrifana de Sousa. Na Primavera de 1662, instalam-se em Gaia, no convento do Vale da Piedade, de onde um pequeno grupo passa, ainda nesse ano, a Arrifana de Sousa.
Em Arrifana contam com a generosidade do fidalgo Inácio de Andrade e Abreu que oferece a quinta das Lages para os religiosos estabelecerem comunidade. Os capuchos organizam um pequeno dormitório com celas, uma das quais adaptada a capela da invocação de Santo António, onde celebravam a missa e administravam publicamente os sacramentos. Obtiveram alvará régio do rei D. Afonso VI, de 22 de Junho de 1662, que autorizava a criação de um cenóbio, o convento de Santo António dos Capuchos. Em finais do séc. XVII já era habitado por 13 ou 14 frades.
O convento compunha-se de três quadras que com o corpo da igreja fechavam um claustro em cujo centro ficava um tanque (depois chafariz). O convento era constituído por um conjunto de dependências necessárias à vida de uma comunidade religiosa: dormitórios, cozinha e refeitório, capítulo, sacristia, biblioteca, botica, hospedaria e anexos.
A vida deste convento chegou a um fim abrupto quando os liberais, na sequência da guerra civil, tomaram Penafiel. A posição dos religiosos, favoráveis a D. Miguel, e o facto de o convento ter servido de base militar de ataque sobre as tropas liberais, ditara que o convento fosse queimado, apenas se conservando intacta a igreja do convento.
A igreja passa para as mãos da Misericórdia em 1836, quando as ruínas do convento, graças aos esforços do Provedor Zeferino da Silva Pereira, lhe são entregues pelo governo para nelas se instalar o Hospital da Santa Casa. Uma obrigação era imposta, a manutenção do culto católico na igreja de Santo António, ainda hoje cumprida.
A igreja de Santo António dos capuchos de Penafiel segue um conjunto de características típicas dos demais templos capuchos seus contemporâneos. Edificada no final do séc. XVII, enquadra-se perfeitamente na simplicidade dos templos capuchos deste século.
Abre por um pequeno alpendre de três arcos sustentados por quatro colunas sobre os quais assenta o pano frontispício da igreja, rematado por um frontão, no qual se rasgam um janelão sob o qual está um nicho com imagem de Santo António, em pedra.
Igreja de nave única, com capela-mor mais estreita. Cobertura em falsa abóbada de berço com molduras simples de granito que enquadram florões de gesso. Tem três altares em talha dourada e policromada da segunda metade do séc. XVIII: o altar da capela-mor e os altares colaterais (adossados ao arco cruzeiro da igreja) de Nossa Senhora das Dores (lado do Evangelho) e de Nossa Senhora da Conceição (lado da epístola). Os altares colaterais são unidos por uma longa composição em talha dourada e policromada que cobre todo o arco cruzeiro, no centro do qual se desenvolvem as armas dos Azevedo e Brito, senhores da Honra de Barbosa e padroeiros do convento.
Nos dois nichos do Altar-Mor, vêem-se do lado do Evangelho, a imagem de S. Francisco de Assis e do outro lado a imagem de Santo António e na tribuna a imagem do Senhor do Hospital, obra escultórica do séc. XVI que teve grande importância.
A igreja dos capuchos situa-se no Largo de Santo António dos Capuchos, entre o Hospital da Misericórdia e o Lar de Santo António dos Capuchos.

Esta igreja, em 2012, sofreu obras de reabilitação, ao abrigo do programa ON2 (Programa Operacional Norte).

Horário das Missas: Segunda a Sábado – 08h00